O assassinato de Marcelo Arruda está sendo transformado em instrumento de sangria política do Presidente Jair Bolsonaro.  

Temos observado a polarização radical iniciada ainda com a facada desferida por Adélio contra o presidente. Agora estão querendo colocar a arma nas mãos de Bolsonaro de forma covarde para tentar capitalizar politicamente nas eleições. 

Os políticos opositores e boa parte da imprensa não estão interessados na vítima ou em sua família, estão interessados no capital político gerado pela ação do criminoso que matou uma pessoa inocente. O flanco aberto pelo crime será bem explorado pela oposição para sangrar o presidente, quando na verdade deveriam cuidar da família daquele que foi vitimado. 

Estão querendo processar o presidente por crime de ódio, onde já estão até mesmo preparando uma ação que deverá ser entregue para a PGR. É lamentável culpar o presidente por uma ação isolada. Se isso for deferido em desfavor do presidente, terão que responsabilizar alguém pela facada lá em 2018. Um procedente jurídico perigoso.

A morte foi um ato covarde e não há como discutir ou defender o criminoso, mas a tentativa de imputar a responsabilidade ao presidente é leviano e corvarde.

É preciso apurar o contexto em que o ex-candidato a vice-prefeito de Foz de Iguaçu morreu para tecer comentários. É preciso um aprofundamento na intencionalidade e motivação do crime. 

Infelizmente só conseguimos ver uma especulação de parte da imprensa, uma ação covarde dos opositores na PGR e uma eleição que está logo alí! 

Imagem: Frame retirado a partir do vídeo das câmeras de segurança.