O primeiro preso pelo show da CPI doc senado trata-se de Roberto Dias, ex-diretor de logística do Ministério da Saúde acusado de ter participado de um suposto esquema de propina na compra de vacinas — algo que ele negou com veemência durante seu depoimento, alegando estar sendo "acusado sem provas".

"Ele (Dias) está mentindo desde de manhã, dei chances o tempo todo", afirmou o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), ao determinar que Dias fosse preso pela Polícia Legislativa, no final da tarde desta quarta-feira (7/7).

Segundo a assessoria do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da comissão, na delegacia da Polícia Legislativa é feito um mandado de prisão, depois entregue à Polícia Federal.

A partir de agora, disse Rodrigues em entrevista coletiva após a sessão, o destino de Dias "não cabe mais à CPI". "Sua defesa pode entrar com habeas corpus, creio que isso (prisão) nem vai chegar à audiência de custódia".

O SHOW DURANTE O RECESSO - Agora os senadores do chamado G7 já possuem o pretexto que precisavam para manter os trabalhos da comissão mesmo durante o recesso parlamentar. Claro que não será tão simples manter os trabalhos, pois se a LDO for votada a comissão deverá ser interrompida para que se tenha o recesso. Já são mais de 100 dias de atraso e a LDO segue sem previsão de votação.

VEIO A CALHAR - O fato estranho do dia foi o áudio de Roberto Dias cair nas mãos da CNN Brasil justamente minutos antes do encerramento da sessão que se daria pelo início da ordem do dia no senado. 

Hoje vimos um picadeiro lotado de artistas, enquanto assistíamos tudo como espectadores abobalhados.