O suposto “decálogo de Lenin” tem circulado a web como uma verdadeira orientação do líder russo aos seus seguidores comunistas. Claro que nosso site não possui bases comunistas ou socialistas, mas as coisas devem ser explicadas com justiça e correção. O falso decálogo de Lenin, na verdade é uma adaptação de um texto em inglês com o titulo “Communist Rules for Revolution”, ou em tradução para o português, “Regras Comunistas para Revolução”. Atribuir o texto ao líder russo de fato é um boato, mas não é boato o fato da utilização destas regras em grupos comunistas e socialistas espalhados pelo mundo. Ao olharmos com mais profundidade para as linhas ideológicas que amparam o comunismo e o socialismo, percebemos a imposição e prática das regras em todas as suas ações.

O chamado “decálogo de Lenin” circula nos Estados Unidos e pode ser lido no site “Snopes”, publicado em 2013. A publicação original não apresenta ou identifica a autoria do texto atribuída a Lenin, as “regras comunistas” circulam como um documento obtido pelos aliados em maio de 1919, em Dusseldorf, na Alemanha, logo após o termino da primeira guerra mundial (1914-1918). A história atribuída a Lenin é de fato fantasiosa, tendo em uma de suas primeiras aparições um artigo do The New York Times publicado em 10 de julho de 1970.

O historiador Paul F. Boller Jr. e o cientista politico Jhon George, autores do livro They Never Said It: A Book of Fake Quotes, Misquotes and Misleading Attributions, publicado pela universidade de Oxford, Reino Unido, em 1989. Alegam que: “as regras são claramente falsas: não soam nem um pouco como 1919”, escrevem em capitulo dedicado ao assunto.

Segundo o livro, o decálogo de Lenin seria uma publicação britânica de 1946 e denominada New World News. Anos mais tarde o texto ganharia popularidade em linhas conservadoras americanas, durante o período da guerra fria (1947-1991). Os autores do livro buscaram em arquivos do FBI e da CIA, bem como no Subcomitê de Segurança Interna do Senado e da biblioteca do congresso americano, mas não conseguiu comprovar a autoria do documento relacionando o mesmo a figura de Lenin.

Em uma visão justa e atual, respaldada por minha formação em História e Ciências Políticas, certamente terei a responsabilidade de não atribuir a Lenin o texto, mas até mesmo os autores só admitem a fraude pela atribuição a Lenin. Estes, não deixam qualquer ponderação no tocante a falsidade e prática das regras comunistas.

Temos percebido ao longo da história, que cada tópico citado, no que chamaremos a partir deste texto de “Decalogo Comunista”, a amplitude da utilização das regras e praticas por aqueles que seguem essa linha politica/ideológica. As famílias, a religião e as verdadeiras liberdades estão em risco ao percebemos todos os dias o cerco que é feito em torno daqueles que rejeitam as práticas defendidas pelos comunistas/socialistas ao longo da história. Estamos diante de uma sociedade falida em princípios e moralmente derrotada pela quebra da estrutura familiar tradicional.

A neutralidade da língua, o exagero das minorias será a perdição para gerações futuras, mas no presente já temos sentido os efeitos nefastos dos objetivos citados no “Decálogo Comunista”, podemos até aceitar a falsidade da atribuição a Lenin, mas não podemos negar a veracidade dos objetivos e das práticas propostas no texto. Devemos lembrar que o “Decálogo Comunista” é uma forma de desconstrução da sociedade e total apoio aos atos revolucionários de tomada do poder e imposição de regras transviadas. Abaixo você poderá verificar cada um dos tópicos do “Decálogo Comunista”:

1. Corrompa a juventude e dê-lhe liberdade sexual;

2. Infiltre e depois controle todos os veículos de comunicação em massa;

3. Divida a população em grupos antagônicos, incitando-os a discussões sobre assuntos sociais;

4. Destrua a confiança do povo em seus líderes;

5. Fale sempre sobre Democracia e em Estado de Direito mas, tão logo haja oportunidade, assuma o Poder sem nenhum escrúpulo;

6. Colabore para o esbanjamento do dinheiro público; coloque em descrédito a imagem do País, especialmente no Exterior e provoque o pânico e o desassossego na população;

 7. Promova greves, mesmo ilegais, nas indústrias vitais do País;

8. Promova distúrbios e contribua para que as autoridades constituídas não as coíbam;

9. Contribua para a derrocada dos valores morais, da honestidade e da crença nas promessas dos governantes, nossos parlamentares infiltrados nos partidos democráticos devem acusar os não-comunistas, obrigando-os, sem pena de expô-los ao ridículo, a votar somente no que for de interesse da causa;

10. Procure catalogar todos aqueles que possuam armas de fogo, para que elas sejam confiscadas no momento oportuno, tornando impossível qualquer resistência à causa.

Hoje, os militantes do comunismo/socialismo defendem amplamente a honra de Lenin, Mao, Stalin, Gramsci, Chávez e Fidel Castro, no Brasil engrandecem as figuras de Lula, Marighela, Prestes, Olga, Lacerda e Che, também como divindades. Os comunistas/socialistas buscam uma forma de sempre propagar a suposta ideia “gloriosa” do socialismo e a utopia de que este sistema dá a população a igualdade social e a divisão igualitária de bens que tanto precisam.

O líder comunista em seu estado narcisista tem a pretensão de se tornar um Deus na terra, quer ser idolatrado e defendido, como o líder chinês Mao Tsé-Tung que hoje é cultuado e lembrado como “Grande Avô na China ou como o próprio Lenin que tem seu corpo exposto e preservado na praça vermelha como se fosse a prova de que o comunismo é a solução para a sociedade e que ele está acima do tradicionalismo cristão e da justiça pelos crimes que cometeu.  Nesta mesma questão estão os vários genocidas comunistas/socialistas facilmente encontrados em postagens de famosos nomes da política nacional e igualmente idolatrados pela chamada esquerda brasileira, esta, esquece dos crimes de seu principal líder político para também elevá-lo ao patamar de divindade.  

Para os comunistas seus líderes são os verdadeiros deuses, munidos com os poderes satânicos da blasfêmia, deturpação dos princípios e corrosão da moral da sociedade por suas práticas. A história avança, e estamos nitidamente em guerra contra as regras comunistas que destroem a sociedade.