Garrote vil ou simplesmente garrote é um artefato que foi utilizado inicialmente como instrumento de tortura, mas sua vocação ia muito além do sofrer do suplicado, o vil instrumento provocava também o óbito. O garrote era aplicado ao pescoço da vítima, que era mantida imóvel e amarrada a uma cadeira.

O invento é originário da Espanha, onde foi utilizado legalmente, desde 1820 até a abolição da pena de morte, pela Constituição de 1978. Este método também foi utilizado em diversos países da Ibero-América, durante a conquista da América, como para executar o imperador Atahualpa, em 26 de julho de 1533.

No caso deste método de execução, o adjetivo "vil" vem do sistema de leis estaduais por uma questão simbólica: a decapitação estava reservada aos nobres e às pessoas mais ricas, enquanto o garrote era uma forma mais vulgar de execução, aplicada a todos os criminosos "do campo".

Alguns anos depois de sua criação, o garrote foi alterado, adicionando a colocação de um colar de ferro que tinha um pequeno buraco, por onde entrava um parafuso que quebrava o pescoço da vítima.

Os últimos condenados por este sistema de execução na Espanha foram o anarquista catalão Salvador Puig Antich, na prisão modelo de Barcelona, e o alemão Heinz Ches, em Tarragona, no dia 2 de Março de 1974.