Muitos creditavam a crise econômica aos atos e falas do Presidente Bolsonaro, mas agora vão falar o quê? O mercado está tremendo de medo da esquerda voltar ao poder. O Ibovespa (IBOV) caiu mais de 3% na última segunda-feira, a 111.470 mil pontos, após ministro do Supremo Tribunal Federal anular as condenações impostas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela 13ª Vara Federal de Curitiba no âmbito da operação Lava Jato.

O dólar (USD/BRL) já vinha em alta e disparou no meio da tarde desta segunda-feira, pulando cerca de 5 centavos de real em três minutos após a decisão. A moeda americana é cotada a R$ 5,80, alta de 2%.

Segundo o gabinete de Fachin, o ministro entendeu que Curitiba não tinha competência para julgar os processos e anulou todas as decisões proferidas nos casos do tríplex do Guarujá, do sítio em Atibaia, da compra de uma sede para o Instituto Lula e das doações feitas ao instituto do ex-presidente.

Nossa Opinião - "A decisão de Fachin, é extremamente negativa para o país, porque abre espaço para Lula enfrentar o pleito de 2022 de forma honesta e totalmente livre das acusações. Mas muitas questões ficam livres no ar! E os acordos de delação que repatriaram recursos desviados da Petrobrás? E aqueles que além da devolução do dinheiro colocaram Lula como personagem ativo em suas delações? Nos parece mais uma manobra política do que uma justa reavaliação das condenações. As consequências serão terríveis para o país.

A falta de critério e a decisão unilateral de um ministro do STF preocupa ainda mais o mercado financeiro e põe em dúvida todas as ações futuras. O mercado respondeu negativamente essa unilateralidade por meio da disparada do dólar e a queda da bolsa.  "Não queremos a esquerda e o Lula no poder", este, é o grito abafado do mercado financeiro para o unilateralismo praticado pelo ministro.

A Procuradoria-geral da República vai recorrer da decisão, que agora precisará ser analisada pelo plenário da Corte.