Você já deve ter ouvido falar no Boko Haram, uma organização jihadista fundamentalista islâmica sunita, de métodos terroristas, que busca a imposição da Xaria no norte da Nigéria. Está também ativa no Chade e em Camarões.

Fundado por Mohammed Yusuf em 2002, o grupo é liderado por Abubakar Shekau desde 2009. Quando o Boko Haram se formou, suas ações foram não-violentas. O seu principal objetivo era "purificar o Islão no norte da Nigéria". Em 2015, o grupo possuía iniciava um alinhamento com o Estado Islâmico do Iraque e do Levante.

Desde a insurreição iniciada em 2009, Boko Haram já matou dezenas de milhares de pessoas e deslocou outros milhões das suas casas para campos de refugiados e outras localidades. Em 2015 foi considerado o grupo terrorista mais mortífero do mundo, de acordo com o Índice de Terrorismo Global. Alguns críticos há muito culpam a corrupção pelos fracassos dos militares, perguntando como o Boko Haram consegue ter melhor armamento do que o exército nigeriano, apesar do substancial orçamento anual que financia o sistema de defesa nigeriano.

A IDEOLOGIA - Oficialmente, o Boko Haram alega que luta pela xaria, bem como pelo combate à corrupção no governo, à falta de pudor das mulheres, à prostituição e outros vícios. Segundo eles, os culpados por esses males são os cristãos, a cultura ocidental e a tentativa de ensinar algo a mulheres e meninas. Segundo o Boko Haram, as meninas sequestradas começam uma vida nova como servas. "A escravidão é permitida na minha religião, e eu vou capturar pessoas e fazê-las escravas", esta é uma declaração corriqueira do líder extremista Abubakar Shekau.

A Xaria tornou-se lei no Norte da Nigéria, região com população de maioria muçulmana. O sul, com maioria cristã, não quer a Xaria. O governo e a capital ficam no sul, mas, por causa das matanças, ameaças e o crescimento da população muçulmana, o número total dos muçulmanos pode ultrapassar o dos cristãos, e o Boko Haram exige a Xaria para o país inteiro.

FINANCIAMENTO - O movimento, segundo várias fontes, financia-se através de raptos seguidos de exigência de resgate, envolvimento com os cartéis da droga, falsas organizações de caridade, venda de escravas, e extorsão. Em 2013, o Boko Haram raptou uma família de sete turistas franceses em férias nos Camarões, e dois meses depois libertou-os, juntamente com outras 16 pessoas, em troca de um resgate de mais de 3 milhões de dólares.

Alega-se que o Boko Haram se juntou a outros grupos criminosos na África na indústria da caça ilegal de rinocerontes e elefantes, de acordo com um relatório da Born Free USA, uma organização de conservação da vida selvagem.

ATENTADOS - O grupo terrorista tem como objetivo acabar com a democracia na Nigéria e promover a educação exclusivamente em escolas islâmicas.

- No dia 25 de dezembro de 2011, cerca de cinco ataques à bomba em várias cidades da Nigéria deixaram pelo menos 40 civis mortos e um policial ferido. O primeiro ataque aconteceu nos arredores da capital Abuja, o segundo na cidade de Jos, no centro do país, o terceiro na cidade de Gadaka, no nordeste, e os outros dois na cidade de Damaturu, no norte. Os alvos foram igrejas católicas durante a celebração da Missa do Galo após a Véspera de Natal.

Em 20 de setembro de 2013, militantes do grupo vestindo uniformes militares pararam o tráfego em uma estrada entre Maiduguri e Damaturu, arrastaram as pessoas para fora de seus veículos e as mataram.

Em 29 de setembro de 2013, ao menos 50 pessoas morreram em um ataque contra uma universidade no nordeste da Nigéria, no Estado de Yobe.

Em 2014 o tamanho das ações militares e atentados são impressionantes. O Boko Haram, agora opera com caminhões e carros blindados, cercando vilas cristãs que ainda existem no norte da Nigéria, matando a população inteira. Muitos conseguem fugir, e meninas novas são muitas vezes capturadas vivas, mas o número de mortos passou em várias ocasiões de 100, por exemplo em Izghe no estado Borno.

Vários ataques foram feitos a escolas de meninas, já que os membros do Boko Haram são veementemente contrários a ensinamentos quaisquer para meninas. Muitas garotas foram capturadas e levadas para serem estupradas pelos guerrilheiros. Às vezes são levadas para vilas muçulmanas e liberadas para toda a população muçulmana estuprá-las. Assim, o Boko Haram vem aumentando a sua popularidade. As meninas são estupradas com base em  A sura da mesa servida 33, que diz; A recompensa dos que fazem guerra a Allah e a Seu Mensageiro, e se esforçam em semear a corrupção na terra, não é senão serem mortos ou serem crucificados ou terem cortadas as mãos e os pés, de lados opostos, ou serem banidos da terra. Isso lhes é ignomínia, na vida terrena, e, na Derradeira Vida, terão formidável castigo. Até aceitarem virar muçulmanas e casarem com um dos seus torturadores. As meninas, que se recusam ainda depois de umas quatro semanas, são liberadas, mas antes de saírem da casa é costume lixar o mamilo direito da vítima na soleira da porta até ele desaparecer. Às vezes também partes do sexo ou do peito são cortadas.

O ataque mais comentado aconteceu no dia 15 de abril em Chibok, estado Borno, onde a população foi morta ou fugiu.  Mais de 200 meninas entre 7 e 15 anos, alunas de uma escola, em que as meninas também moram, foram capturadas e levadas pela milícia. No início as fontes falaram de 100 meninas, mas fontes da Nigéria relataram um número de 234 meninas, levadas em grupos pequenos a vários locais e a partir dos dias da Pascoa estupradas em massa. Em resposta ao terror contra as meninas em escolas o governo fechou 85 escolas de meninas. Um dia antes, em 14 de abril, o Boko Haram conseguiu também seu maior atentado até então no sul da Nígéria, onde mora a maioria dos cristãos. Na cidade Abuja, capital da Nigéria, e matou 71 pessoas deixando centenas feridas.

Em 3 de janeiro de 2015, o Boko Haram lançou diversos ataques em solo nigeriano, matando pelo menos 2 mil pessoas (o "Massacre de Baga"). O exército do país lançou várias operações para tentar prender ou matar os responsáveis e combates violentos acabaram sendo reportados.

No dia 05 de fevereiro de 2015, o Boko Haram invadiu uma aldeia ao Norte de Camarões. Mais de cem pessoas foram encontradas degoladas, dentro de suas casas e até em uma mesquita.

Em dezembro de 2015, a UNICEF citou que em consequência do radicalismo do Boko Haram um milhão de crianças não puderam frequentar escolas e que mais de 2 000 escolas se encontram fechadas na Nigéria, Camarões, Chade e Níger.

SOB CONTROLE DO BOKO HARAM - A Região controlada pelo Boko Haram, encontra-se nordeste da Nigéria. Os ganhos territoriais na maioria das vezes são oficialmente negados pelos militares da Nigéria, porém agências internacionais e fontes independentes mostram que o grupo já controla mais de vinte cidades nigerianas. Elas se concentram nos estados de Borno e Yobe no nordeste do país.

Em Borno, as cidades mais notáveis sob poder dos extremistas são Damboa, Gwoza, Gamboru Ngala, Banki, Bama e Chibok (onde havia sequestrado mais de 200 meninas). No estado de Yobe são Buni Yadi, Bokwari, Maza e sudeste de Jiri.

Em fevereiro de 2015, o exército nigeriano retomou Monguno causando pesadas perdas aos extremistas, o que foi confirmado por fontes independentes.