Após trabalhar pela substituição do ministro da Saúde, o Congresso Nacional, agora, pressiona o Palácio do Planalto pela substituição do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. O movimento é incentivado nos bastidores por interlocutores de Jair Bolsonaro, que avaliam que o chanceler perdeu as condições de ficar no cargo diante do avanço da pandemia. Um dos principais passos do Congresso nesse sentido ocorrerá nesta quarta-feira (24), quando Ernesto participará de sessões na câmara e no senado para debater a atuação no Itamaraty na pandemia.

NOSSA OPINIÃO – É correto afirmar que o congresso trabalhou arduamente para substituir Pazuello, mas desde meados de 2020 os parlamentares pressionam o Palácio do Planalto para que a reforma ministerial alcance o chanceler, agora, parece ter chegado o momento dessa pressão se transformar em ação, e a substituição já aparece como uma realidade. A saída do chanceler é incentivada nos bastidores por interlocutores do presidente, que avaliam que o chanceler perdeu as condições de ficar no cargo diante do avanço da Covid. A sessão no Congresso certamente será utilizada como o primeiro passo para à substituição do ministro.