A agonia dos consumidores parece ter chegado ao fim. Com a privatização dos Correios a população terá a chance de ver suas encomendas sendo entregues de forma mais ágil e respeitosa. No dia 24 de fevereiro, tive minha parcela de descontentamento no calvário que tem sido esse serviço no Brasil, uma vez que, aguardava a chegada de uma encomenda por volta das 13h00 (horário de Brasília), mas para a minha surpresa o carteiro não bateu na minha porta e ainda lançou no sistema que o destinatário estava ausente! Como assim? Eu estava lá fora, de pé e esperando o homem de amarelo aparecer. Uma espera que milhões de brasileiros sofrem e o transtorno de ir até a agência retirar um produto que nem ao menos tentaram me entregar.

Voltando ao nosso tema principal, um dia depois de enviar ao Congresso a Medida Provisória (MP) de privatização da Eletrobras (outra grande ação), o governo federal entregou na última quarta-feira (24), em ato simbólico, o Projeto de Lei da privatização dos Correios ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira.  Assim como fez na terça-feira, o presidente Jair Bolsonaro foi pessoalmente ao Congresso. Atravessou a rua e mostrou aos brasileiros que a farra dos correios terá fim.

A proposta enviada ao Congresso envolve a quebra do monopólio postal dos Correios e a abertura do mercado a outras empresas.

Claro que os funcionários irão protestar e criar problemas, mas se consultarem a população, esta, fatalmente irá apoiar cada linha do texto do projeto de privatização.