No decorrer da Idade Média, uma grande parte da população não tinha acesso ao conhecimento, mesmo o mais básico que era a leitura e a escrita, estas pessoas também não tinham nenhuma perspectiva futura em acessar tais conhecimentos. O que ocorria neste período é muito parecido com o que ocorre nos tempos atuais em vários países, uma vez que as disparidades financeiras e de oportunidades nunca foram amenizadas.

AS PRIMEIRAS ESCOLAS - Na Idade Média ler e escrever eram privilégio de uma parcela da população composta por integrantes da igreja e comerciantes. As primeiras escolas medievais se instalavam e eram regidas pelas igrejas e mosteiros, a partir do século XII, houve uma conscientização acerca da educação, pois a formação se fazia importante no comércio, que utilizava a escrita e o cálculo, e nesse mesmo período surgiram escolas fora da igreja.

AS UNIVERSIDADES - Estas tiveram início no século XIII, como um tipo de associação de professores e alunos que se uniam para questionar as autoridades, a universidade da França surgiu a partir de uma associação de professores e a da Itália foi composta por alunos.

As universidades da Idade Média permitiam dentro de suas dependências o livre pensamento e ideologias, nesta época existia faculdade de artes, medicina, direito e teologia, todas as aulas eram ministradas em latim assim como grande parte das obras escritas.

No século XI desenvolveu-se uma literatura variada: A poesia épica (falava sobre heróis e honra), a poesia amorosa (falava de amor e admiração à mulher) e Romance (guerra, aventura e amor).

No campo da filosofia, os principais eram Santo Agostinho e São Tomás de Aquino, o primeiro defendia a razão e o mundo espiritual como superior e o segundo afirmava que o homem não devia se apoiar na religião.