Certamente é um erro comum colocar na mesma prateleira a “direita” e a “extrema direita” como se fossem sinônimos. Existe uma diferença de essência entre as duas e iremos abordar de forma prática tal diferença, mas não deixaremos de lado outra informação importante. A diferença entre direita e esquerda. Você irá terminar sua leitura com uma percepção melhorada sobre o tema que tem invadido nosso país desde o pleito eleitoral de 2018.

DIREITA – Promove a busca pela liberdade e a redução da participação do Estado na sociedade.

EXTREMA DIREITA - É colocada contra a liberdade individual e defende um Estado totalitário para organização da sociedade.

Para termos uma ideia clara, nossos últimos governos de esquerda possuem uma semelhança com regimes de extrema esquerda e extrema direita, pois todos eles promovem uma maior participação do Estado na vida do indivíduo. A primeira dentro dos limites da democracia, enquanto a extrema esquerda e extrema direita pela utilização da força. Já a direita, ao contrário das demais quer a minimização da participação do Estado na sociedade como forma de reduzir a corrupção, garantir liberdade e promover desenvolvimento econômico.

PRINCIPAL ARGUMENTO DA MILITÂNCIA DE ESQUERDA – Estão sempre dizendo que só buscamos nossos interesses e não nos sensibilizamos com as camadas mais pobres. Isto é mentira!

Mesmo entendendo que o melhor programa social é a geração de empregos pela economia de mercado, a direita defende moderadamente ajudas assistenciais do Estado. É preciso lembrar que o projeto de criação do programa bolsa família foi feito por um economista de direita, Ricardo Paes de Barros. Já o uso político do programa foi utilizado para ganhar votos por partidos de esquerda do Brasil.

PARA NUNCA MAIS CONFUNDIR – Para sanar duvidas restantes e distinguir corretamente a direita da esquerda é preciso conhecer as suas definições ideológicas. Em resumo, devo dizer que elas se diferenciam pelo papel que o Estado deve exercer sobre a sociedade. A esquerda acredita que a redução da pobreza e a representatividade dos direitos de cada indivíduo só poderão ocorrer por meio de uma maior participação do Estado na vida social das pessoas. A direita, ao contrário, defende a redução da participação do estado como forma de tirar pessoas da pobreza, respeitando a liberdade individual dentro das regras estabelecidas pela sociedade.