Sou filho, marido e embora não seja pai, tenho algumas meninas em minha vida que considero minhas filhas, nutrindo o amor incondicional de pai por cada uma delas. Me considero um homem conservador e “atualizado” nas novidades e notícias que são veiculadas nas redes sociais e em outros meios de comunicação. Fazem alguns dias que vejo a campanha do movimento “Não é Não”, criado e incentivado por coletivos feministas, (devemos lembrar que o Carnaval está chegando. Uma época em que os casos de assédio em blocos de rua e festas sobem consideravelmente em todo país)sendo alvo de ataques por parte de alguns políticos e outros grupos que pregam a violencia contra a mulher. Novamente reitero que sou conservador, tenho orientação política de direita, mas defendo o movimento, que é válido, e bem trabalhado poderá construir uma corrente capaz de fortalecer as mulheres brasileiras. 

Não podemos ser hipócritas...  Seja homem ou mulher, o assédio é algo que incomoda e deixa a assediada(o) em situação constrangedora. Como filho, marido, pai, irmão e amigo, você gostaria de ver uma pessoa querida passando por uma situação vexatória de assédio? Temos que refletir! Chegou a hora de mostrar que somos capazes de honrar as calças que vestimos e tratar as mulheres com extremo respeito.

Nem toda mulher sabe lidar com o assédio, mas mesmo que saiba, não aconselho entrar em confronto com o assediador, denuncie! Procure as autoridades locais ou a delegacia da mulher mais próxima. Somente por meio de uma denúncia formal as mulheres poderão vislumbrar o desaparecimento gradativo dos atos agressivos e perturbadores.

As mulheres já estão trilhando o caminho para a conquista dos direitos necessários, e muitos homens até dizem que elas possuem mais direitos do que eles, mas são incapazes de pensar que o que elas mais querem vai além da letra fria, e muitas vezes ineficaz da lei ou da morosidade da justiça. As mulheres querem respeito em todas as suas formas. Uma grande parcela da comunidade masculina já provou que isso é possível ao longo dos tempos. Será que você conseguiria imitar esse comportamento tão humano?

Pense nisso!

COLUNA OPINIÃO – Todas as quartas-feiras em nosso blog!


Bruno Diniz - É Historiador, Pós-graduado em Ciência Política, trabalhou por vários anos como consultor legislativo na Câmara Federal. É autor de vários artigos em versões impressas e on-line. Contribuiu para veículos como Revista Superinteressante, jornal Correio do Estado – MS (foto jornalismo) e sites de notícias de Mato Grosso do Sul. Blogueiro e apreciador do jogo político.